11 mar, 2021

O poder da Gestão de Identidades e Acessos para a segurança de informação corporativa

blog

Compartilhar: Share on Facebook

Descubra o poder da Gestão de Identidades e Acessos e a sua importância para a proteção de dispositivos, informação e a identidade dos colaboradores.


Física ou remotamente, a Gestão de Identidades e Acessos torna-se vital para a gestão da segurança de qualquer organização e dos seus dados. A exploração de vulnerabilidades tornou-se cada vez mais frequente com o aumento do teletrabalho. Sem saber, os próprios colaboradores tornaram-se uma das principais portas de acesso aos ciberataques.

É esperado que este modelo de trabalho se torne uma tendência, e como tal, sem uma estratégia aliada à gestão de acessos, os colaboradores continuarão a ser um alvo primordial para os crimes de cibersegurança.

Na primeira metade de 2020 (considerando metade de período de situação pandêmica), a violação de dados expôs 36 mil milhões de dados no mundo, segundo o RiskBased. Ainda, a IBM revela que o tempo médio para identificar uma quebra de segurança era de 207 dias no ano de 2020.

A estratégia de proteção de informação corporativa, aliada à implementação de soluções de gestão de identidades, requer, aos dias de hoje, uma abordagem que contemple todos os verticais associados, ou seja: proteção da identidade do utilizador (garantir que quem efetua o “login”, é mesmo o “owner”); proteção do dispositivo (através de ferramentas que permitam monitorar e validar os processos do posto de trabalho), proteção da informação (através da identificação de informação sensível e crítica para a organização) e proteção das aplicações (através de estratégias de desenvolvimento de aplicações em formatos “low code” ou mesmo “no code”).

De que forma é possível definir uma estratégia de proteção de acesso à informação?

Descubra o poder da Gestão de Identidades e Acessos e a sua importância para a proteção de dispositivos, informações e  identidade dos colaboradores.

 

O que é a Gestão de Identidades e Acessos?

 

A Gestão de Identidades e Acessos (IAM) é um processo de organização e administração de relações entre pessoas e ativos de informação críticos, ou seja, entre os colaboradores e a empresa, que permite gerir acessos de utilizadores.

De modo a definir standards de conformidade, através da implementação de políticas de segurança, apenas utilizadores autorizados têm permissões de acesso necessários.  Essas soluções se integram a  diversos sistemas, centralizando o processo de autorização de acessos, através da definição de diferentes tipos de controles e mecanismos de acessos, tais como, a implementação processos de autenticação mais seguros, como o Single Sign-on, o Multi-factor Authentication e outros Cloud Services disponíveis e que  se integrem facilmente a outros aplicativos.

Uma estratégia de Gestão de Identidades e Acessos, baseia-se majoritariamente , na conexão segura entre pessoas e informações, traduzindo-se em um aumento da produtividade dos colaboradores, bem como no acesso mais seguro e mais ágil aos dados.

 

Quais são os 5 maiores desafios de IAM?

A gestão de identidades e acessos reforça a segurança da informação da organização, ao evitar tentativas de fraude ,comprometimento de identidade dos utilizadores e perda de dados confidenciais pertencente à organização.

 

Quantidade de identidades a gerir

Tipicamente, as organizações acessam a vários serviços, e por conseguinte, acessam várias fontes de dados. Se cada serviço disponibilizar um diretório de endereços, a tarefa de calcular e gerir utilizadores torna-se desafiadora. Assim,   quantificar acessos torna-se no primeiro desafio para a implementação da estratégia de Gestão de Identidades e Acessos que se pretende, de modo coeso e estruturado. Para além da criação de normas para a atribuição de acessos, é imprescindível  definir estratégias de identificação dos utilizadores e de seus acessos de forma a criar a “perfilagem” nos acessos, ou seja, criar um “standard” no acesso a “quem” acessao “quê”. A automatização desse processo é fundamental, de modo a tornar mais fácil a gestão dos acessos, seja derivado da entrada de novos colaboradores, com atribuição de acessos de forma “standardizada”, seja pela gestão de saídas. A sincronização da gestão de acessos através de conetores (que integram com os repositórios de “identidade” existentes) torna a gestão centralizada, e por consequência, mais ágil e eficiente.

 

Gestão de identidade em múltiplos dispositivos

A quantidade de dispositivos os quais  os utilizadores recorrem para desenvolver atividades profissionais cresceu substancialmente. É recorrente o acesso a aplicativos não só através do posto de trabalho (laptop ou desktop), mas também através do tablet ou smartphone. Assim sendo, é importante que a estratégia de proteção de identidades defina e apoie as organizações ao identificar quais dispositivos podem ter acesso a quais informação.

 

Gestão de privacidade

Definir o atingimento de indicadores de conformidade baseado em regras de privacidade é desafiador. As organizações têm requisitos para cada perfil presente na empresa, tais como acessos a grupos de usuários com necessidades de computação específicas (developers, designers), ou de entidades externas com necessidades de administração de serviços, podem atualmente ser geridas com regras de acessos distintas, uma vez que os acessos atribuídos tendem a ser no formato “JIT” (Just in time). Deste modo, é possível definir metodologias de “Just in time acess” para determinados perfis para que o acesso à rede para alguns agentes  seja temporário (com renovações obrigatórias), seguro (através de fatores adicionais tais como MFA) e auditado (através de logging na plataforma).

 

Definição do risco de acesso

Ser suportado por plataformas que auditam constantemente os parâmetros ao acesso, aos dados e aplicações da organização alavanca de forma sustentada a proteção da identidade do usuário. Atualmente é possível ter automatismos de auditar para que os utilizadores tenham padrões de acesso. Caso surjam processos de login de fontes “externas” ao processo, a automação permite bloquear o acesso à conta corporativa, ou exigir uma alteração de senha/chave de segurança..

 

Segurança dos acessos

A segurança no processo login constitui o primeiro passo de interação entre o usuário e a informação. Desse modo, a definição de mecanismos de autenticação mais seguros é fundamental, como por exemplo, Passwordless authentication, Multi-factor authentication ou com suporte a dispositivos adicionais.

 

Como colocar em prática este processo?

Para  a proteger os seus dados e a sua organização, há fases imprescindíveis no processo de Gestão de Identidades e Acessos: consultoria, implementação, definição de processo e gestão dos serviços.

No processo de IAM, o Azure Active Directory é uma solução que permite à organização gerir, controlar e monitorar o acesso a recursos e informações importantes da empresa através de integração híbrida. Deste modo, reduz a probabilidade de acessos por parte de código malicioso ou de utilizadores não autorizados que possam impactar recursos sensíveis e evitar ações de fuga de informação.

Esta solução de Gestão de Identidades disponibiliza as funcionalidades de aprovisionamento e desaprovisionamento ; sincronização; gestão de perfis de usuários, gestão de grupos, gestão de credenciais, gestão de certificados no formato self-service; gestão de perfis, e ferramentas de reporting.

 

 

Proteja os seus dados de forma eficaz.

Fale conosco


Compartilhar esta notícia:
Share on Facebook

Prepare sua empresa e seus funcionários para o futuro. Contate-nos!

Autorizo a ARMIS a recolher as minhas informações pessoais conforme descrito nos Termos e Política de Privacidade.